Viabilidade econômica de projetos

Toda organização tem como objetivos principais o seu crescimento, expansão dos negócios e se estabelecer como uma das líderes no mercado. E para que isto aconteça são necessários projetos que possibilitem a realização de atividades que têm por objetivo alcançar o que é pretendido.

Mas não basta apenas elaborar os projetos, pois, colocar um projeto em execução sem a devida análise de viabilidade econômica pode colocar a organização em sérios riscos. Deste modo, nós da Imagem Consultoria preparamos este guia rápido que contém os principais pontos da análise de viabilidade econômica de um projeto para que você implante nas atividades do seu empreendimento. Veja: como fazer uma análise de viabilidade econômica de projetos.

1 – Projeção dos gastos

Como sabemos, todo projeto envolve gastos, ou seja, desembolsos financeiros que englobam custos, despesas e investimentos. Logo, a análise de viabilidade econômica começa com a projeção dos gastos e a que estes gastos se relacionam com a geração de receitas. Ou seja, para justificar a viabilidade de um gasto, este deve ser responsável pela geração de receita, de modo que isto proporcione equilíbrio financeiro durante a implantação e desenvolvimento do projeto.

Esteja atento também aos reinvestimentos, pois, nem sempre o investimento inicial para o projeto é suficiente para a sua conclusão, o que gera a necessidade de novos gastos e remodelagens financeiras.

2 – Projeção das receitas

Assim como projetar os gastos, projetar as receitas é um fator determinante para o sucesso de todo e qualquer projeto, sempre na busca de encontrar o ponto de equilíbrio. Para que haja justificativas da realização de um projeto, a projeção das receitas ao longo do prazo deve ser superior ao valor desembolsado, e que o seu resultado traga benefícios. A análise de viabilidade econômica de um projeto deve ser imparcial, sem abertura de precedentes de exceções que possam levar a prejuízos financeiros.

Lembre-se que a projeção das receitas deve cobrir todos os gastos durante a execução do projeto, bem como proporcionar o retorno do dinheiro investido na sua implantação. Se a projeção das receitas for inferior e insuficiente, este é o primeiro fator negativo a viabilidade econômica da implantação e realização do projeto.

3 – Projeção do fluxo de caixa

As entradas e saídas de dinheiro no caixa da empresa ocorre de forma dinâmica e este movimento ocorre ao longo dos dias de forma sequencial. A isto damos o nome de Fluxo de Caixa. Não basta analisar se as receitas cobrem os gastos de forma geral e realizar a aprovação da viabilidade econômica do projeto. É necessário analisar a projeção do fluxo de caixa, dia a dia, no objetivo de verificar se há recursos financeiros suficientes e, se necessário, adotar medidas corretivas. Jamais deixe de utilizar esta ferramenta na análise de viabilidade econômica dos seus projetos, para que deste modo, tenha liquidez financeira e garanta reservas caso tenha algum imprevisto.

4 – Esteja atento aos indicadores

O quarto e último item na análise de viabilidade econômica de um projeto são os indicadores financeiros e de desempenho, pois, estes serão como um mapa geral de orientação. A atualização e análise destes indicadores deve ser realizada e acompanhada antes, durante e depois da realização do projeto, pois, desta forma, haverá um panorama do cenário do projeto. Vejamos a seguir os principais indicadores para a análise de viabilidade econômica de projetos.

Taxa Mínima de Atratividade (TMA)

A Taxa Mínima de Atratividade ou TMA é o ponto de partida da análise dos indicadores, pois, esta taxa representa o retorno mínimo que é esperado de um investimento, neste caso, da implantação e realização do projeto. A TMA possui várias referências, porém, a mais utilizada é a taxa Selic (Sistema Especial de Liquidação e Custódia) que é a taxa básica da economia brasileira e diretamente ligada aos meios de captação e retornos financeiros.

Payback

O Payback é um excelente indicador, que demonstrará em quanto tempo o projeto irá proporcionar o retorno do capital investido. O Payback pode ser simples ou descontado, onde este último leva em conta o valor do dinheiro no tempo, com base na TMA.

Valor Presente Líquido (VPL)

Este indicador é muito utilizado para analisar os fluxos de caixa esperados pela implantação do projeto, trazendo para a data atual e descontando a Taxa Mínima de Atratividade (TMA). Se o resultado for positivo, a realização do projeto é recomendada (sempre analisando os demais fatores); se o resultado for negativo, há forte tendência de que o projeto gere prejuízos.

Taxa Interna de Retorno (TIR)

A TIR indica a rentabilidade do projeto em percentual e segue a mesma unidade de medida de tempo do Fluxo de Caixa, o que a torna um indicador com característica relativa. A Taxa Interna de Retorno (TIR) pode apresentar três possíveis cenários. Vejamos a segui:

• TIR maior que a TMA – indica a viabilidade econômica do projeto como positiva, ou seja, o projeto paga o seu capital investido e ainda proporciona lucro;
• TIR igual a TMA – o projeto tem capacidade de pagar os investimentos, porém, não gera lucro;
• TIR menor que a TMA – este cenário não é propício à realização do projeto, dado que, tal projeto não cobrirá os investimentos e ainda dará prejuízo.

É importante ressaltar que os indicadores não devem ser utilizados de forma isolada e individual, mas sim, em conjunto, pois, somente desta forma será possível realizar a análise de viabilidade econômica de um projeto de forma efetiva e confiável.

Precisa do apoio de uma consultoria especializada para o seu negócio? A Imagem Consultoria tem a solução ideal para você. Acesse o nosso site e saiba mais.